Como todos sabem, a data de 8 de março é marcada pela comemoração do Dia Internacional da Mulher. Sabe por qual motivo comemora-se nessa data? Costumam dizer que a celebração surgiu após um incêndio ocorrido no dia 25 de março de 1911 na fábrica têxtil Triangle Shirtwaist, em Nova York, quando 130 operárias morreram carbonizadas. Entretanto, não a luta não começou aí.

De acordo com os fatos históricos, no final do século XIX, as mulheres europeias e norte-americanas já protestavam em seus países contra as longas jornadas de trabalho, que chegavam a ultrapassar 15 horas diárias, e os baixos salários que vigoravam após a Revolução Industrial.

mulheres

Na realidade, o primeiro Dia Internacional da Mulher foi comemorado em maio de 1908 nos Estados Unidos. Naquela data, mais de 1500 mulheres protestaram em defesa da igualdade política e econômica no país. Em 1909, o Partido Socialista dos Estados Unidos oficializou o dia 28 de fevereiro como dia da comemoração.

Na II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, que ocorreu em 1910, foi determinado que um dia deveria ser dedicado para celebrar os direitos de todas as mulheres. A data de 8 de março foi aderida no ano de 1977, em homenagem aos 60 anos do protesto que ocorreu em 1917, no qual mais de 90 mil operárias se manifestaram contra o Czar Nicolau II. A manifestação teve como objetivo protestar contra a participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, as más condições de trabalho e a fome no país.

Mas será que as mulheres têm o que comemorar? Claro que sim! Não vamos ser tão pessimistas, pois essa luta por direitos iguais e respeito vem dando bons resultados ao longo dos anos, embora não seja a situação ideal. De lá para cá, o cenário mudou bastante e mostra que os esforços não têm sido em vão. A criação e implantação da Lei Maria da Penha é um exemplo. Isso é um incentivo para a batalha continuar.

Oprah Winfrey, umas das mulheres mais poderosas do mundo
Oprah Winfrey, umas das mulheres mais poderosas do mundo

Quem imaginaria que o Brasil e tantos outros países teriam uma representante do sexo feminino à frente da Presidência da República? Quem diria que grandes empresas teriam mulheres como executivas e liderando equipes formadas por homens? Quantas mulheres são chefes de família, com a maior contribuição na renda familiar? E as musas do mundo do entretenimento que movimentam a economia e são formadoras de opinião?

Dilma Rousseff, a primeira mulher no cargo de presidenta do Brasil
Dilma Rousseff, a primeira mulher no cargo de presidenta do Brasil

Nos últimos anos, o termo “empoderamento feminino” passou a ser bastante utilizado por militantes e pessoas de modo geral, o que abriu a possibilidade de ampliar a discussão sobre temas relacionados aos direitos e situações que passam as pessoas do sexo feminino no dia a dia. Além da igualdade de gênero, assuntos como violência sexual e física e o papel da mulher na sociedade têm gerado a abordagem jornalística e em rodas de conversas.

Victor Chaves, da dupla Victor e Léo, e sua esposa Poliana, que o acusou de agredi-la
Victor Chaves, da dupla Victor e Léo, e sua esposa Poliana, que o acusou de agredi-la
Maria da Penha Fernandes, cuja história de violência deu origem à Lei Maria da Penha
Maria da Penha Fernandes, cuja história de violência deu origem à Lei Maria da Penha

No ano de 2010, a Organização das Nações Unidas lançou um documento intitulado Princípios do Empoderamento das Mulheres, que serve como referência para o mundo empresarial. Segundo a ONU, os princípios são:

  1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível.
  2. Tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação.
  3. Garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa.
  4. Promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres.
  5. Apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing.
  6. Promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.
  7. Medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.
Adriana Machado, executiva da GE Brasil
Adriana Machado, executiva da GE Brasil

Todavia, os princípios de empoderamento feminino devem ir além do âmbito organizacional. Sabe-se que há muita discriminação em qualquer ambiente onde as pessoas estão inseridas. A discriminação e a falta de respeito pode estar disseminada nas instituições de ensino e religiosas e até mesmo dentro de casa. São nesses locais que a mudança deve começar. Cabe aos homens (pais, irmãos, maridos etc) darem o devido respeito às mulheres no lar, na rua, no trabalho etc.

Madonna na Marcha das Mulheres, que aconteceu em janeiro
Madonna na Marcha das Mulheres, que aconteceu em janeiro

Não é porque ao longo dos anos foram apresentadas mudanças no cenário social que a luta vai acabar. É certo que muitos desafios ainda estão por vir. E qual é o papel da mulher? O papel da mulher é apoiar a causa e não aceitar calada qualquer tipo de discriminação de gênero e a violência, que é tão comum desde que o mundo é habitado por gente. Não podemos deixar para refletir sobre esse tema apenas no dia 8 de março. Todo dia é dia!

Comentários

COMPARTILHAR
Eu mesmo: Rafa Japa. Mineiro, administrador de empresas, DJ e amante de música pop e eletrônica. Na equipe do Freakout desde 2013, sem interrupções, divulgando e enaltecendo a cultura pop.